Adeus ao Diamante Negro do Sertão Sergipano; Morre aos 50 anos o professor Diassis

Foto: Arquivo Familiar (Reprodução)

O Sertão Sergipano não será o mesmo sem a alegria e a persistência de um dos maiores incentivadores do esporte na cidade de Canindé de São Francisco. O Diamante Negro do rádio, o professor Diassis, como era conhecido Francisco de Assis da Silva, 50 anos, que acabou evoluindo a óbito após 50 dias internado no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse).

Com muitas homenagens e mensagens de carinhos nossa equipe manteve contato com alguns amigos e familiares.

O empresário Paulo Costa, da Rádio Xingó FM, a qual Diassis trabalhava fez suas homenagens: “A honestidade, a inquietude e a perseverança são virtudes raras nos homens de hoje. Alguns os tem em pequenas doses e alguns não reúnem todas ao mesmo tempo. Mas o nosso Diassis as tinha todas em abundância . Tanto no seu trabalho na escolinha de futebol como nos programas de rádio que comandou ao longo da vida o diamante negro sempre pautou sua vida com essas virtudes mas, dentre todas as virtudes de Diassis, a que mais deixará saudades será a sua capacidade de fazer amigos. Nisso o nosso Diassis foi pródigo ao longo de sua vida, tanto no esporte como nos microfones. Diassis nunca se abateu nem cultivou inimizades, mesmo diante das adversidades e da falta de apoio aos seus planos no esporte e na comunicação. Se faltava apoio aos seus projetos, Diassis respondia com vontade e sem rancor para toca-los à frente. Diassis vai deixar saudades em todos aqueles que tiveram o prazer de tê-lo conhecido. Vá em paz amigo Diassis que seu legado não será esquecido”.

O filho Robinho também falou do projeto da Escolinha Diamante Negro: “Meu pai fundou a escolinha no ano de 1999, todos os jogadores jovens, hoje já pais de família, passou por ele, muito tempo sem o apoio devido, mas nunca parou, iniciou aqui no campo da Agrovila, mas envolvendo jogadores de toda a cidade: Olaria, Bairro da Torre, Assentamento Cuiabá, Povoado Curituba, tinham os meninos de lá. A gente sabia que era difícil porque não tinha ajuda, mas ele nunca desistiu. Ele sempre acompanhava os alunos nas escolas, acompanhava o desenvolvimento. A gente fica triste, mas ao mesmo tempo felizes porque ele ajudou muita gente, muitas pessoas a serem o que são hoje, pessoas de bem e acredito que Deus colocou ele em um bom lugar, com certeza. O legado dele está aí, tenho certeza que não iremos esquecer”, finalizou.

Um companheiro de rádio, há mais de 06 anos, Nivaldo Alves, também falou do amigo que irá deixar muitas saudades: “Ele batalhou muito, era apaixonado pelo esporte, sabia trabalhar com isso, ele era o pioneiro. Há mais de 20 anos que conheço Diassis, uma pessoa direita, apaixonada pelo esporte de Canindé, merecia e muito um reconhecimento das autoridades, que não teve esse reconhecimento. A gente fica triste pela situação, nós perdemos um grande amigo, eu perdi um amigo, parceiro, irmão, eu aprendi, no rádio, aprendi com ele. Não tenho palavras para descrever, ele era um ser humano extraordinário, brincalhão com todos, tinha os projetos dele, acabou adoecendo, mas tinha os projetos dele”, concluiu.

A filha Thaís Franciele falou do pai Diassis, um verdadeiro herói para os filhos e para muitos garotos que sonhavam com o esporte: “Meu pai foi o melhor pai que pode existir no mundo, pra mim, para os meus irmãos, foi àquele cara que nos deu educação, nos ensinou que devemos amar o próximo, respeitar o próximo e acima de tudo existir a humildade, ele sempre falava pra gente que a gente tinha que ter muita humildade, que no final o que contaria seria isso, meu pai foi um exemplo de pai para todos nós, é tanto que a partida dele está sendo muito difícil porque ele era um cara muito carinhoso e presente na vida dos filhos, meu pai era tudo, era um cara sensacional, um cara muito presente, um cara que ouvia, dava conselhos, que estava ali para ajudar, estava disposto para tudo, era um verdadeiro herói, não só para os filhos, mas para muitos garotos, meu pai às vezes deixava de comprar coisas pra gente para ajudar o próximo, o filho de um próximo, e ele sempre fez isso, ele sempre fez aquilo que achava que deveria fazer, já presenciei várias vezes uma criança não ter condições de comprar uma chuteira para jogar futebol e meu pai estava ali disposto a tirar do dele para ajudar”, finalizou.

O Radialista Rodrigues Filho, um grande parceiro que contribuiu para o início de Diassis no rádio falou como surgiu o slogan “O Diamante Negro do Rádio”: “Diassis foi meu braço direito, nessa luta incansável que estivemos em Canindé, ele foi meu braço direito, as pessoas, muitas delas, tem memórias curtas, o que Diassis fez ao meu lado foi de grande importância. O futebol de Canindé era um antes de Rodrigues Filho e Diassis, Cazuza também tem sua parcela de contribuição, e outros e outros, o futebol de Canindé antes da gente fazer o primeiro programa que era o “Panorama Esportivo” na Rádio Xingó FM, o esporte de Canindé era um, e depois da nossa luta em diante o esporte teve outra cara. A mudança do campo de Canindé para o Estádio Municipal de hoje, com cabine de imprensa, gramado, arquibancada, isso tudo graças aos políticos, mas com as nossas críticas, pegando no pé pesado, criticando e elogiando na hora certa, e hoje o município tem um Campo de Futebol com uma outra estrutura. Diassis tem uma história linda trabalhando com escolinhas de futebol de base, esse slogan “Diamante Negro do Rádio” foi eu que coloquei nele, dei a primeira oportunidade pra ele, quando eu assumi o programa de esporte de imediato chamei ele, e coloquei esse slogan pela luta que ele fazia”, concluiu.

Kaká Andrade também falou da importância de Diassis no esporte municipal: “Muitos jovens hoje que cursam faculdades, outros que já estão formados, muitos, muitos passaram pela escolinha de Diassis e tiveram um acompanhamento, ele utilizava o esporte para formar um cidadão, não apenas um atleta, mas formava acima de tudo um cidadão, e com isso muitos desses alunos, que não davam o devido valor ao estudo mas gostavam do futebol, e o Diassis acompanhavam o desenvolvimento de todos na escola, acabavam estudando mais e criaram o hábito de estudar e se formaram cidadãos. A importância de Diassis para o esporte de Canindé ela vai muito além do esporte, ela vai na direção da formação de cidadãos, é isso que ele fez durante toda a vida. Seus filhos, todos são atletas, é uma vida dedicada ao esporte e na imprensa, ele gostava do rádio, sempre procurava programas esportivos e com a sua simplicidade, durante a sua vida, cumpriu o seu papel aqui na terra, infelizmente para nós prematuramente ele se foi, tinha um problema grave no coração e há um bom tempo se tratando disso e agravou-se com um AVC, um AVC muito violento e perdemos Diassis, como diz, vai um homem e fica a sua história. As páginas do Esporte de Canindé de São Francisco se bem contadas tem que passar por nomes como Diassis, o Diamante Negro e Dão, que tinha também um time de futebol, que dedicou tanto tempo ao futebol e a cultura, dois cidadãos simples, que em vida, mesmo sem muitos recursos, souberam cumprir as suas missões aqui na terra”, finalizou.

O Site Jornal do Sertão lamenta o falecimento de Francisco de Assis da Silva e se solidariza com os familiares e amigos.

 

Por Damião Feitosa

Jornalista DRT-0005839/BA

Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário