Academia Canindeense de Letras e Artes (ACLAS) manifesta solidariedade a todos que fazem a Universidade Federal do Rio de Janeiro

Foto: Tinho Santana

A Academia Canindeense de Letras e Artes vêm através desta manifestar sua irrestrita solidariedade a todos que fazem a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), especialmente aos pesquisadores e demais funcionários do Museu Nacional diante da triste tragédia de 02 de setembro de 2018. A ciência e história brasileira enlutaram-se. 

Acabou-se em chamas a maior coleção egípcia e clássica da América Latina; uma coleção indígena de valor imensurável também se foi em meio as chamas, sem contar, também, das coleções de fósseis e documentos históricos. Era um acervo com mais de 20 milhões de itens. Foi um domingo muito triste onde assistimos a destruição de uma história, isso sem podermos fazer nada. Foi perdido anos de pesquisa; queimaram-se junto todos os esforços e legados de gerações de cientistas que se dedicaram a pesquisar, arquivar e proteger nos últimos 200 anos. Não foi só um lugar que se perdeu em meio as chamas. Por ali passaram Dom João VI, Dom Pedro I, Dom Pedro II e a Princesa Isabel, a memória dos nossos antepassados estava ali. É lamentável ver o Museu Nacional se acabar de forma tão trágica. Esse momento nos faz refletir e se perguntar: E agora, o que nos resta se não conseguimos sequer proteger a nossa história?

Atenciosamente;
Evanilson Oliveira de Santana (Tinho Santana)
Presidente

Nota da Academia Canindeense de Letras e Artes

Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário