Lava a jato Pais e Filhos é referência no mercado, cuidando do meio ambiente e inovando sempre

O visionário Ueliton Nascimento

Para muitos brasileiros, a compra de um automóvel representa muito mais do que a solução para os problemas de mobilidade. Ela é a realização de um sonho, o símbolo de uma conquista social e, até mesmo, o acesso ao lazer para a família, com a possibilidade de viajar até a praia, parque ou a casa de parentes outrora distantes.
Para os felizes proprietários, a satisfação em desfilar no carrão limpinho e brilhante é tão grande que muitos suportam, sem reclamar, engarrafamentos infindáveis e chegam a ignorar a matemática, que aponta que, em alguns casos, os gastos anuais de manutenção do automóvel próprio (IPVA, seguro, combustível, manutenção, estacionamento, entre outros) superam os custos com o uso do táxi ou de outros meios de transporte mais eficientes.
De olho nesse mercado potencial de 64 milhões de veículos, conforme dados de 2010, divulgados pelo Denatran, estão os empresários do setor de lava a jato, a exemplo do jovem e visionário Ueliton Nascimento, que numa brincadeira entre amigos, viu a oportunidade de abrir o próprio negócio e se tornar um empreendendor de sucesso. “Iniciei lavando os carros dos amigos, na frente da minha casa, debaixo da árvore da casa dos meus pais. Gostei e não parei mais”, conta.
Destemido e à frente do tempo, vendo na brincadeira, que agora tornara algo sério, uma forma de ganhar dinheiro, Ueliton comunicou aos amigos e familiares seu desejo de ser proprietário de um lava a jato e, prontamente foi acolhido por todos, sendo muito requisitado na cidade e região. “Sempre me apoiaram, acreditaram em mim, no meu potencial, na minha garra e vontade de vencer”, diz. Inclusive, segundo ele, o nome “Lava a jato pais e filhos” é uma homenagem a esses inúmeros pais e amigos que acerditaram e confiaram nele.
Além do desejo de cuidar do patrimônio pessoal, a falta de tempo e o aumento das restrições ao uso da água para lavagem de automóveis em condomínios e residências são fatores que levam muitos proprietários a utilizarem os serviços de lavagem de automóvel em estabelecimentos especializados. Quem partilha dessa máxima é o empresário Paulo Santos, cliente do Lava a Jato há anos. Homem de negócios e com uma agenda frenética, frequentemente deixa seu automóvel aos cuidados de Ueliton e sua equipe, que inclui, além de homens, uma mulher, que chegou para trazer um novo olhar ao local, quebrando tabus e paradigmas. “Sou uma pessoa contra qualquer tipo de preconceito e os rótulos que a sociedade nos impõe, mas quando alguém chega até mim e diz que trabalhar em um lava a jato é uma tarefa masculina, soa como preconceito”, relata Jaine Oliveira, convicta de que está no lugar certo.
Ueliton e sua competente equipe
Jaine está estagiando na empresa há cerca de três meses e segundo Ueliton, tem dado conta do recado. “Talvez por ela ser mulher, tem algo além, uma peculiaridade que só a alma feminina possui”, admite, deixando claro que pretende dar mais oportunidade a outras mulheres.
À vontade, entre carros e vários produtos que vão desde polimento à higienização veicular, Jaine enfatiza que nunca se viu trabalhando em um lava a jato, sobretudo, entre homens, mas que a experiência é inovadora e muito gratificante. Partilhando da mesma visão que Jaine, Wellington Santos, um dos mais antigos colaboradores da empresa, afirma que também nunca se viu trabalhando em um lava a jato, mas que ao imergir pelo mundo da estética automotiva, a paixão foi imediata.
Estudos realizados pelas grandes empresas de estacionamentos e postos de gasolina, concluíram que mais de 88% dos proprietários de automóveis com menos de dez anos de uso lavam seus carros com uma periodicidade de 15 dias e 53% o fazem semanalmente.
Vale lembrar que nas maiores cidades brasileiras, especialmente nos bairros mais populosos, a concorrência no ramo é acirrada. Por outro lado, o aumento do poder aquisitivo da população, o crescimento demográfico e a utilização frequente do automóvel particular, geram, a cada dia, novas oportunidades para esse tipo de negócio em muitos locais do país.
Fugindo do óbvio e inovando sempre, o Lava a Jato Pais e Filhos, além de cuidar e preservar o meio ambiente, já que funciona de forma ecologicamente sustentável, investe nos seus colaboradores e aos poucos, está oferecendo aos seus clientes os serviços de estética automotiva, algo inovador, sobretudo no sertão, onde Ueliton, talvez, se não for um dos primeiros, é o único empreendedor a trazer para Canindé de São Francisco a novidade que é frisson nos grandes centros urbanos.
No alto de mais de nove anos administrando o único lava a jato da cidade que tem autorização de funcionamento da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), quem olha assim até pensa que a vida do pai de Pedro Lucas e do marido de Rafaella Thomaz sempre foi assim. Mas engana-se. Recentemente, Ueliton passou por momentos difíceis, pensou em largar tudo e por pouco não viu ruir seu castelo. Dadas às devidas proporções, ergueu a cabeça, passou a investir em si próprio, rever seus conceitos, a olhar além e deu a volta por cima. “Sou o único responsável por mim. Sou o capitão do meu barco, sou eu quem direciono minha embarcação, quem decido aonde quero chegar”, afirma. E vai além, quando afirma que crise significa oportunidade.
Os altos e baixos, serviram de alicerces para se reerguer, passou a ter outro olhar diante da vida, da empresa e dos colaboradores e, assim, toda semana, às segundas-feiras, uma reunião antes do expediente, o coloca frente à frente com sua equipe, uma oportunidade única de trocar experiências, planejar os próximos passos e andarem em sintonia, em busca de um único objetivo: o sucesso. Esses encontros semanais, tem rendido bastante, inclusive, o relacionamento entre os colaboradores e ele. “As reuniões são sempre produtivas, ali, podemos ver onde estamos errando e de que forma podemos melhorar”, garante um dos colaboradores.
Foi a partir daí, que Ueliton começou a dar outra direção a sua empresa, passando a investir em estética automotiva. Apesar do nome, a estética automotiva tem pouco a ver com modificações extremas do veículo e mais com uma série de cuidados que vão deixar seu carro cada vez melhor para você e também valorizá-lo em futuras vendas.
Atualmente, o trabalho de estética automotiva é chamado de detailing, palavra inglesa que pode ser traduzida como detalhamento, serviço que vai de uma simples lavagem até uma restauração mais profunda.
O amigo Paulo Santos, inclusive um dos poucos que esteve ao seu lado, garante que Ueliton se sobressaiu por que não pensou pequeno, foi visionário, ousou e acima de tudo, acreditou em si, na sua capacidade e potencial de superação. “Ueliton é um homem que entendeu que é necessário não investir apenas no negócio, mas também em si mesmo. Ele Trata sua empresa como um negócio sério e com uma visão de futuro extraordinária, além de ser um ser humano fantástico”, avalia.
A estética automotiva se caracteriza, no entanto, pela qualidade do resultado. Segundo Ueliton, os serviços mais solicitados no Lava a Jato Pais e Filhos são: polimento de pintura, cristalização, higienização interna, impermeabilização de pintura, descontaminação, além de espelhamento e vitrificação.
Apesar de os serviços de estética automotiva custarem mais caro do que uma lavagem simples, Ueliton enfatiza que vale a pena, pois valoriza o veículo, além de aumentar a liquidez do modelo na hora da venda.
Com uma cartela vasta, atendendo diariamente, de segunda a sábado, clientes de municípios sergipanos (Aracaju, Nossa Senhora da Glória); alagoanos (Piranhas, Delmiro Gouveia), além de outros espalhados pelo Nordeste, Ueliton afirma que o custo dos serviços depende de uma análise do veículo.
Feliz da vida e exalando bem estar por todos os poros, quando pergunto o que espera do futuro, o homem obstinado e apaixonado pelo que faz, é categórico e, em meio a um largo sorriso, dispara.“ O melhor está por vir”.

Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário