Mãe de menor que foi atingido durante ação policial diz em depoimento que “filho era usuário e praticava tráfico”

Foto: Arquivo da Polícia Civil de Sergipe | Ilustração

Na manhã da segunda-feira, 24 de maio de 2021, por volta das 05h15min, a mãe do menor que foi atingido durante uma ação da Polícia Militar contra o tráfico de drogas no Bairro Olaria, na cidade de Canindé de São Francisco, região do Sertão, prestou depoimento para a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa em Itabaiana, Sergipe.

No depoimento a mãe disse “que seu filho era usuário e traficante de drogas, destacando que ele estava em um local muito conhecido como ponto de tráfico na cidade de Canindé, mais precisamente na Rua 03, no Bairro Olaria, quando os policiais militares chegaram e deram voz de prisão ao seu filho e mais dois elementos, os quais fugiram do local, houve disparos de arma de fogo e seu filho foi atingido com um tiro, movido pelo qual foi conduzido ao hospital regional de Itabaiana, Sergipe. Ela não soube informar se no momento da abordagem os meliantes efetuaram disparos contra a Polícia Militar”.

Drº Tiago Lustosa Luna de Araújo era o delegado plantonista no dia do fato.   

 

Por Damião Feitosa

Jornalista DRT-0005839/BA

Google Plus

10 comentários:

  1. A matéria criminaliza a criança.
    É esse tipo de jornalismo que não precisamos.

    ResponderExcluir
  2. Imagino a pressão que essa tia sofrendo para criminalizar esse sobrinho.

    ResponderExcluir
  3. Uma criança mesmo errada não era pra ser morta e pra ser recuperada.
    Erram feio , e o erro custou a vida de uma criança que vendia cocadas para viver.

    ResponderExcluir
  4. Essa mae pode ter certeza que foi obrigada a metir

    ResponderExcluir
  5. Esse depoimento não foi da tia foi da mãe biológica que o abandonou. A tia disse em entrevista que a criança não tinha envolvimento com o tráfico.
    Na matéria faltou informações importantes sobre Juninho, criança abandonada pela mãe biológica( essa que reaparece agora para criminalizà-lo junto aos seus algozes). A criança, Juninho, conhecida na cidade como um menino sofrido que vendi cocada nas portas dos comércios da cidade para ajudar no sustento da família.Jornalismo imparcial e profissional não e para qualquer um, lamentável.

    ResponderExcluir
  6. https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/12/em-tres-anos-policiais-mataram-ao-menos-2215-criancas-e-adolescentes-no-pais.shtml

    ResponderExcluir
  7. Essas matérias de Damião Feitosa é manipulada pela polícia, ele não investiga nada antes de sair acusando as pessoas, ele posta o que a polícia deixa.

    ResponderExcluir
  8. As polícia da qui são todos errados nossos filhos entao até comedo de sair pra fora e não volta mais não é o primeiro caso que eles mata e fala que foi troca de tiro so não só não entendi uma coisa se eles achou 38 com quatro munições são e como foi esse troca de tiro que essas munição não saiu não foi do revólver Quando aconteceu isso de novo Tem filho de outra pessoa

    ResponderExcluir
  9. Eu tenho 3 sobrinhos pequenos eles ver carro da polícia fica com medo, pq um órgão que deveria proteja faz o contrário.

    ResponderExcluir
  10. Safado Para de postar mentira

    ResponderExcluir