Execução do Capitão Oliveira foi motivada pelo combate ao crime na região, diz SSP

Foto: Denise Gomes/TV Sergip

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) esclareceu, em coletiva, na manhã desta quarta-feira (23) a ‘Operação Rubicão’ responsável pela prisão de suspeitos de participação na morte do comandante da Companhia Independente de Operações Policiais em Área de Caatinga (Ciopac), capitão Oliveira, em abril desse ano.
Foram cumpridos dez mandados de prisão relacionados ao crime e durante toda a operação, 10 pessoas foram mortas em confronto com a polícia, sendo seis no estado de Sergipe e quatro em cidades no interior da Bahia. Inicialmente dois irmãos, que segundo a SSP, deram suporte a quatro homens que assassinaram o capitão Manoel Oliveira morreram em confronto com a polícia. Na madrugada da última sexta-feira (18), outras oito morreram em confronto com a Polícia Civil de Sergipe e da Bahia na 'Operação Rubicão'. A operação ocorreu nos estados de Sergipe e Bahia.
Para o delegado Dernival Eloi, diretor do Cope, a operação foi muito positiva e obteve grande êxito. “Os presos corroboraram a tese da motivação e da ação delitiva. Aguardamos alguns laudos e algumas prisões ainda podem ser feitas. Estamos diligenciando esperamos logo em breve prender mais indivíduos. A sociedade e a imprensa nos ajudaram muito na investigação”, disse.

Motivação
A motivação para o crime foi confirmada durante as investigações e segundo a SSP, ocorreu devido ao trabalho de repressão que vinha sendo realizado pelo Capitão Oliveira, que no ano de 2017, durante ações da Caatinga, alvejou dois homens acusados de crime de pistolagem. Dentre esses suspeitos está um ex-companheiro de uma presa durante a operação.
A ação é resultado do trabalho investigativo das equipes do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Dvisão de Inteligência (Dipol), da Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Copci), além de contar também com a participação de equipes da Polícia Militar na execução das atividades, como também de contar com o apoio da polícia baiana.

Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário